Wiki Bíblia/Números/XXIII

From Wikispore
Jump to navigation Jump to search
ver  editar
Informações sobre esta edição
Título Tradução Brasileira da Bíblia
Autor Vários
Tradutor Hugh Clarence Tucker (presidente, metodista); Rev. William Cabell Brown, Jr. (coordenador, episcopal), Antônio B Trajano, JM Kyle (Igreja Presbiteriana do Norte dos Estados Unidos), John R Smith (Igreja Presbiteriana Americana, sulista), Alfredo B Teixeira (presbiteriano independente), Hipólito de Oliveira Campos (metodista), Virgílio Várzea e Alberto Meyer (Nova Friburgo); colaboraram Rui Barbosa, José Veríssimo, Heráclito Graça, Eduardo Carlos Pereira et al.[1][2][3]
Gênero Religioso
Referência
da disponibilização
Bíblia Online. [S. l.]: [s. n.], [200-]. Acesso em 8 dez. 2009.

A fonte apresentada é uma fonte de confirmação de dados e existência.
Nível de progresso 00%.svg 0%
Permissão
PD-icon.svg Todas as obras publicadas até 1º de janeiro de 1927, independentemente do país de origem, se encontram em domínio público.

A informação acima será válida apenas para usos nos Estados Unidos — o que inclui a disponibilização na Wiki Bíblia. (detalhes)

Utilize esta marcação apenas se não for possível apresentar outro raciocínio para a manutenção da obra.

Notas
  1. Bíblia tira teima está de volta. Barueri, SP: SBB, 2011. Disponível em http://www.sbb.org.br/interna.asp?areaID=101&id=698. Acesso em 10 dez. 2013.
  2. MURARO, Cauê. Bíblia com tratamento literário vira fenômeno de vendas na Noruega. G1, Globo, São Paulo, 11 jan. 2012. Disponível em: <nowiki><http://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2012/01/biblia-com-tratamento-literario-vira-fenomeno-de-vendas-na-noruega.html. Acesso em 10 dez. 2013.
  3. TEIXEIRA, Paulo; ZIMMER, Rudi. Traduções da Bíblia: história, princípios e influência. In Manual do Seminário de Ciências Bíblicas. Barueri, SP: SBB, 2013. Disponível em http://books.google.com.br/books?id=aS4OAQAAQBAJ. Acesso em 10 dez. 2013
  1. Então disse Balaão a Balaque: Edifica-me aqui sete altares, e prepara-me aqui sete novilhos e sete carneiros.
  2. Fez Balaque como Balaão falara; e Balaque e Balaão ofereceram sobre cada altar um novilho e um carneiro.
  3. Disse mais Balaão a Balaque: Fica-te em pé junto ao teu holocausto, e eu irei. Porventura Jeová me sairá ao encontro; o que ele me mostrar, eu to direi. E foi a um alto.
  4. Deus encontrou-se com Balaão; e este lhe disse: Preparei os sete altares, e sobre cada altar ofereci um novilho e um carneiro.
  5. Jeová pôs uma palavra na boca de Balaão, e disse: Volta para Balaque, e assim falarás.
  6. Voltou para ele, e eis que estava em pé junto ao seu holocausto, ele, e todos os príncipes de Moabe.
  7. Balaão proferiu o seu discurso, e disse: Balaque me faz vir de Arã, o rei de Moabe dos montes do Oriente: Vem, amaldiçoa-me a Jacó, e vem, denuncia a Israel.
  8. Como posso amaldiçoar a quem Deus não amaldiçoou? Ou como posso denunciar a quem Jeová não denunciou?
  9. Pois do cume das penhas o vejo, e dos outeiros o contemplo: Eis que é um povo que habita só, e não será reputado entre as nações.
  10. Quem contou o pó de Jacó, ou enumerou os miríades de Israel? Que eu morra a morte dos justos, e seja o meu fim como o seu.
  11. Então disse Balaque a Balaão: Que me fizeste? Chamei-te para amaldiçoares aos meus inimigos, e eis que nada fizeste senão abençoá-los.
  12. Respondeu-lhe Balaão: Não devo eu cuidar de falar o que Jeová me puser na boca?

  13. Disse-lhe Balaque: Vem comigo a outro lugar, donde os poderás ver. Verás somente a sua parte extrema, e a todos eles não verás; e amaldiçoa-mos dali.
  14. Levou-o ao campo de Zofim, ao cume de Pisga, e edificou sete altares, e sobre cada altar ofereceu um novilho e um carneiro.
  15. Respondeu a Balaque: Fica aqui em pé junto ao teu holocausto, enquanto eu vou ali ao encontro de Jeová.
  16. Jeová encontrou-se com Balaão, e pôs-lhe na boca uma palavra e disse: Volta a Balaque, e assim falarás.
  17. Vindo a ele, eis que estava em pé junto ao seu holocausto, e os príncipes de Moabe com ele. Perguntou-lhe Balaque: Que falou Jeová?
  18. Balaão proferiu o seu discurso, e disse: Levanta-te, Balaque, e ouve, escuta-me, filho de Zipor:
  19. Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa. Porventura, tendo Ele prometido, não o fará? Ou tendo falado, não o cumprirá?
  20. Eis que para abençoar recebi ordem; se Ele abençoar, não o posso revogar.
  21. Não se observa desastre em Jacó, nem se vê calamidade em Israel; Jeová seu Deus está com ele, e no meio dele se ouvem vivas ao seu rei.
  22. Deus que o tirou do Egito é para ele como a glória de um boi selvagem.
  23. Não há agouros em Jacó, nem adivinhações em Israel, agora se poderá dizer a Jacó e a Israel: Que fez Deus!
  24. Eis que o povo se levanta como uma leoa, e se porá em pé como um leão; não se deita até que devore a presa, e beba o sangue dos que forem mortos.
  25. Então disse Balaque a Balaão: Nem o amaldiçoes, nem o abençoes.
  26. Respondeu, porém, Balaão a Balaque: Não disse eu: Tudo o que Jeová falar, isso tenho de fazer?
  27. Tornou Balaque a Balaão: Vem agora, levar-te-ei a outro lugar; porventura será do agrado de Jeová que dali mo amaldiçoes.
  28. Então Balaque levou a Balaão ao cume de Peor, que olha para Jesimom.
  29. Disse Balaão a Balaque: Edifica-me aqui sete altares, e prepara-me aqui sete novilhos e sete carneiros.
  30. Fez Balaque como Balaão dissera, e sobre cada altar ofereceu um novilho e um carneiro.